Sunday, January 20, 2013

de volta à vida na tundra

Então o Inverno chegou a Portugal com uma vingança? Até deixou de haver luz, telefone e rede de telemóvel. É chato. Tomem lá uma palmadinha nas costas para reconforto. There there... there there...

Aqui apenas continuou o frio. Muito frio. Chegou a -28ºC mas eu estava em casa nessa altura. Quando saí, já só estavam -9ºC e isso é peanuts!! 
Pois a vida continua, primeira semana de trabalho depois das férias, a mais difícil de todas, já chegou ao fim. A implementação das resoluções de ano novo estão tomar forma e a marcação das próximas férias está a decorrer. Ah pois é, são precisas cenouras tenrinhas e docinhas para nos mantermos sãos e motivados. 

Uma história que falhei em vos contar: em Cuba, reparei que estava uma carteirinha da Marimekko numa mesa. Oh-Oh! Eles andam aí... E um "uksi-puksi" começou-se a ouvir no horizonte e eis que os finlandeses se revelam.
Apanhámos um casal deles no restaurante practicamente em todos as refeições. Pois que em todas as refeições eles sentavam-se na mesma mesa. Em todas as refeições. Num restaurante com muitas e muitas mesas, com indoor e outdoor, a apanhar calorzinho e solinho na esplanada... não. A mesma e a mesma e a mesma mesa. Todos os dias, 2 vezes por dia.

God, these people are boring. And they know it.

     

Wednesday, January 16, 2013

Fui ali, já vim nr 2

Cuba, antes que o velho morra.- é que ando a dizer há anos. Finalmente, pisei solo cubano no dia 01 Janeiro 2013.

Respondo já às questões que estão a pensar: Não, não vi o Fidel, nem o Chávez e não fumei charutos e não gostei do rum.

Devo confessar que tenho uma costela comunista, gosto muito da sua teoria. Tinha pois curiosidade em ver como vivem as pessoas num estado comunista a sério. Ah, e tenho um certo fraquinho pelo Che... *blush* 

Gostei de ver o quanto a Revolução (pelo menos a palavra) ainda está presente por toda a parte. O respeito, a roçar o carinho, com que falavam do Comandante Che Guevara e do "nosso presidente", agora o Raul Castro. Será que também têm uma PIDE? hmmm desconfio...

Embora não seja suposto haver classes sociais, há de facto uns "animais que são mais iguais que outros". É perfeitamente visível e questionei-me como é que será que isso acontece e como é que os cubanos lidam com isso... Não encontrei resposta à minha questão. 

Fiquei impressionada com a arquitectura eclética de Havana, desde edifícios com colunas gregas, a casas estilo colonial, neo-clássio, árabe... you name it, they got it!

Uma volta pela parte velha de Havana revelou-se semelhante à cidade velha do Panamá: casas velhas, a cair de podre, com pessoas a morar lá dentro. Como? Isso já não sei. 

No percurso até Varadero, Cuba pareceu-me interessante. Postes de electricidade ao longo da estrada, refinarias, a cidade de Matanzas muito arranjadinha e descontraída... Fiquei curiosa para conhecer mais. Mas não será desta vez.

De um modo geral, o cubano é bem disposto e afável. Mas só porque espera receber algum. Caso contrário, são a coisinha mais mal mal-educada e com cara-de-frete que alguma vez vi! 

A indústria do turismo é, como o próprio nome indica, uma indústria. Embora com coisas bonitas para mostrar, os percursos túristicos massificaram-se e perdeu todo o contacto com a natureza. Senti-me como um animal, numa manada (ou numa vara?). Lesson learned! 

Custou-me muito a lá chegar (ver post anterior) e esta viagem ficou a baixo das minhas expectativas que, devo admitir, estavam muito elevadas. Mea culpa.

Contudo, não me posso queixar do tempo, que esteve sempre sol e céu azul. O objectivo de ir abraçar o sol e a vitamina D, esse sim, foi atingido.

Hasta la victória, siempre.
revolução muito vívida na memória colectiva. Propaganda? Nã!
 
universidade de Havana
rococó mourisco?
é uma praça europeia... com palmeiras.
eram os mesmos souvenirs por todo o lado...
isto estava ao lado de uma igreja...não fui eu que inventei.
um mural, em Matanzas.
aaaahhhh.... that's the life
people... do I like them? No.
  

mais um e bom

Que blogueira mais desnaturada, que se borrifou completamente para vocês e não vos desejou nem bom natal nem bom ano. Nada!
Mas foi por uma boa causa, não acham? Que isto de ser emigrante no cu-de-Judas requer um "break" de quando em vez.
Vá, não se zanguem que eu continuo a gostar muito de vocês (na medida do possível).
Por isso, aqui vai: FELIZ 2013!
Saltaram da cadeira? com dinheiro na mão? comeram as passas? Então vai correr tudo óptimo!!

Queria aqui enviar os "Parabéns" à pessoa que gastou um desejo de ano novo em me desejar diarreia fulminante: o seu desejo realizou-se! Obrigada pelas horas de ENCANTO na casa-de-banho do aeroporto da Portela e de Madrid assim como pelas MARAVILHOSAS 10 horas e meia que passei no avião para Havana nesse magnífico estado de graça. Foi, sem dúvida, uma experiência que nunca mais irei esquecer!   

Pois foi assim que comecei o ano. 
Espero que não tenha sido uma amostra do que aí vem...