Monday, December 16, 2013

it's christmas time

Os dias para o Natal estão em contagem decrescente e ainda mais decrescente está a contagem dos dias que faltam para eu entrar de férias. A óptima notícia é que só falta um dia e ACABOU-SE. Depois vou fazer uma paragem em Bruxelas, volto aqui para acabar a mala e levar a gata ao hotel. E depois... it's off back home! 

Como não tenho tido grande imaginação para presentes de Natal, decidi este ano dedicar-me ao crochet e fiz uma data de prendas para as minhas amigas daqui. Não vou levar nada destas coisas para Portugal porque a minha família é toda muito prendada e quase toda a gente sabe fazer estas coisas. 

Por isso, como não vão poder ver nada, deixo aqui as fotos das prendas natalícias já distribuídas. 







 







Até já, gente! Sábado já estarei por aí! FELIZ NATAL!

Friday, December 6, 2013

the little differences

Não vou começar a dissertar sobre Royale with cheese, mas é dentro desse espírito, sim, devo confessar. Pequenos detalhes, aqui e ali, que vou observando e que, obviamente, julgamos sempre perante o nosso referencial, aka, a nossa cultura, esse grande saco que temos às nossas costas, onde pomos tudo que experimentamos e vivemos. O meu saco encheu-se de coisas portuguesas durante 32 anos, pelo que só passados 32 anos "cá fora" é que já nada vai parecer estranho. Até lá... aqui vão umas quantas que me lembrei:

- Chegar a casa de alguém (e vice versa) e tirar os sapatos. Vai-se a uma festa, toda bonita, sapatinho a fazer pendant... não adianta, que quando se chega a casa de alguém, eles saem. Patrões, crianças, colegas, estranhos, melhores amigos do mundo... sapato nenhum entra num lar finlandês. Na Holanda também é assim, mas acho que é mais flexível e depende da pessoa. Aqui é tudo eito! Talvez pelo facto de os sapatos serem a maior parte do tempo botifarras e terem de lidar com outros "animais". Eu gosto, porque sempre achei que andar de sapatos em casa é muito insalubre. Eu hoje vou a casa de um vizinho, acho que nem sequer me vou calçar... vou de chinelos! Olhó estilo!

- Pendurar o casaco à entrada de todo o sítio: Obrigatório. Isto é, quer queiras quer não queiras, vais gastar 2€ (ou mais) sempre! Parece que é uma medida de segurança o facto de os casacos estarem todos juntos num sítio. Não compreendo muito bem porquê, o único cenário que consigo imaginar é haver um fogo e os casacos que estavam nas cadeiras das pessoas entrelaçarem-se nas pernas e impedir a fuga e serem daqueles materiais muito inflamáveis, cheios de enchimento, que faz uma chama linda e contribui para o fogo. Será que isto é suficiente para fazer uma lei? E porquê só aqui? Há casacos em todo o lado, suponho... Ou é simplesmente mais uma regra de oiro criada pela sociedades consumista e afinal, é sempre mais uma pataca que o mexilhão tem de pagar? Eu inclino-me para a segunda...

- O quanto cedo tudo se passa. Horários de trabalho, refeições, eventos... é tudo de "madrugada". O trabalho, ainda vá que não vá, entras cedo, sais cedo, podes ainda fazer alguma coisa. Mas agora, almoçar às 11:30, jantar às 18:00? Concertos/teatros a começar às 7:00 p.m.? O que não é mau, pois se for durante a semana o teu dia seguinte de trabalho não vai estar em risco. Ou se preferires, 10 da noite é uma boa hora para ir beber um copito. É bom... mas difícil de interiorizar.  Contudo, na Holanda onde vivi (não é Amsterdão), as lojas tinham horários que tornavam o dia-a-dia complicado: tudo fechava às 5. E só um domingo por mês é que as coisas abriam. Na Finlândia, os horários das lojas não são tão restritos. Mas nada bate os nosso centros comerciais a fechar à meia-noite, todo o santo dia. Temos assim tanto dinheiro para gastar? Até parece...

Há mais, muito mais. Mas estas foram as que me lembrei quando ontem saí de um concerto às 9:15 p.m. Esta é a hora que qualquer coisa começa em Portugal.

Monday, November 18, 2013

a cabana, junto ao lago

Um dos bens mais desejados e acarinhados que os finlandeses têm é a cabana (mokki). Não é junto à praia, não há dunas nem canaviais.

Geralmente no meio de nenhures, espartanas e sem alguns "luxos" da civilização moderna (tipo água, luz e WC), ai o que eles gostam da cabana! Principalmente por ser isolado, por estarem no meio da natureza, por poderem simplesmente estar, existir, para treinarem os seus instintos, fazer bricolage, beber e fazer sauna. 
Tudo muito simples e básico, em comunhão com o meio ambiente e todos os seus agentes. 
De inverno ou verão, lá vão eles! neve? frio? chuva? mosquitos? ursos? Não interessa nada! Bora! 
Eu nunca fui. Só estive numa umas horas, mas era moderna. Não conta.

Um grupo de noruegueses, que pelos vistos são muito conhecidos pelo mundo, o mesmo grupo que fez a música da raposa, os Ylvis, têm outra música que descreve muito bem a panca que esta gente do norte tem pelas cabanas.
Começa com ele a chegar à cabana: anda, anda, anda, anda...

PS: vou dizer aqui publicamente que estes tipos são uma cópia escarrada dos Flight of the Concords. Já disse. É plágio, senhor, é plágio! 

Sunday, November 17, 2013

to wrap it up: o que deverias saber antes de emigrar para a Finlândia

Neste paraíso (a Finlândia) há um Fórum de portugueses denominado Lusofin. 
Foi por aqui que estabeleci os primeiros contactos quando soube que para aqui vinha, foi por intermédio desta plataforma que conheci as pessoas que conheço e que não são do trabalho. Fora destes dois grandes blocos, não conheci mais ninguém. Mas isso sou eu, que sou um bicho do mato num país cheio de bichos do mato. Assim não é fácil...
Éniuei... 
Este Fórum recebe muitas perguntas de gente portuguesa que está em Portugal e desesperada, desesperada para sair para qualquer sítio do mundo que não seja Portugal e que pensa que a Finlândia, por aparecer nos tais tops, deve ser bom e porque não experimentar. Os moderadores respondem sempre a mesma coisa mas a malta não acredita, estrebucha e por vezes pensam que os que cá estão são uns pessimistas e não querem é que venham para cá mais tugas. 
O administrador do Fórum achou por bem fazer uma compilação dos assuntos que muitos abordam para não ter de escrever sempre a mesma coisa AQUI.

A minha experiência nesta terra, já lá vai 1 ano e 8 meses, é decerto bem diferente da dele. Já leram, com certeza, algumas daquelas coisas aqui no meu blogue. 
Mas pode ser que agora já acreditem... :) 

PS. E quem é que cá vem visitar-me? Hein?

 

Thursday, October 24, 2013

nem tudo o que luz é ouro

Toda a gente sabe que a Finlândia está sempre no top 5 dos países em que há tudo de melhor: melhor saúde, melhor educação, melhor sistema social, gente mais feliz, melhor neve, melhor frio!!!
 
Depois leem o  meu blogue, onde eu tanto digo mal desta terra e desta gente e pensam que sou eu que sou do contra, que sou eu que sou muito crítica.

Não acreditam quando vos digo que isto é o fim do mundo.
Pois eu também não acreditava se não morasse cá. 

Então olhem lá para esta notícia do jornal que, para muito espanto meu, foi num jornal local, onde diz lá para o meio:

"In a country which prides itself on its equal and fair society, I was struck that so many people feel it's acceptable to deny someone access to a flat or a job – or treat them with mistrust or hostility – simply because of their ethnicity."

Se houvesse o top de gente xenófoba, a Finlândia estaria em que lugar? Como as coisas andam por aí, deveriam estar em ex-aequo com 3/4 dos países do mundo...(quem são os 1/4? Também não sei, mas era só para não ser muito deprimente).

Mas é só para pensarem duas vezes quando estiverem a ler estudos e tops e rankings: it's all bullshit!

Thursday, October 3, 2013

a honestidade, ai ai, a honestidade

Anda para aí uma notícia sobre um estudo, daqueles estudos feitos sem qualquer informação científica decente, sabe-se lá porquê, sabe-se lá por quem e sabe-se lá o que se pode tirar das interpretações sensacionalistas que os jornais gostam tanto.

Não sei se foi algo mencionado por Portugal, mas aqui foi orgulho nacional os finlandeses terem-se classificado em numero-uno lugar neste ranking de honestidade.
No extremo oposto da escala, quem ficou? Pois claro, Portugal! 

Então, basicamente, alguém foi a várias cidades mundiais mandar carteiras com dinheiro para o chão e ver quem as ia devolver. Em Lisboa, só apareceu 1 das 12 carteiras e foi porque um casal de Holandeses a passear nas nossas ruas a apanhou, se não, nem isso!
Em Helsínquia, só 1 carteira não foi devolvida. Eu apostava que foi um português que a apanhou! 

Segundo o "estudo", não interessa se se é rico ou pobre, mulher ou homem, jovem ou velho. São os princípios que nos são incutidos. Well.... DAH! 

À parte do meu asco por estes estudos tirados do ânus de alguém, informo, a vocês que estão longe, que é um facto que eles (os finlandeses) desde de tenra idade, são ensinados a não mexer no que não é deles. E assim permanecem o resto da vida. Não mexem, não olham, não falam, não se interessam. São finlandeses.

Sei de histórias de carteiras, cartões multibancos e telemóveis que permaneceram no mesmo sítio sem ninguém lhes tocar durante horas. Ou recebeu-se um telefonema de alguém a avisar. Pensa-se logo (penso eu!): ai se fosse em Portugal... Porque em Portugal, só o que estiver pregado ao chão é que se vai safando e o que não está, quem não o leva, é ESTÚPIDO!

Pois meus amigos, nem oito nem oitenta!  

Não precisamos destes estudos idiotas para sabermos que temos de afinar algumas coisinhas no ensino que damos aos nossos filhos no quadrado à beira mar plantado, que está cada vez pior, diga-se de passagem. Elevo os braços aos céus pela sorte que tive em nascer quando nasci, quando ainda havia um bocadinho de integridade e que esta me foi ensinada. 

O que eu fiz com ela... isso é outra conversa! ;)

Wednesday, October 2, 2013

uma realização:

Apercebi-me há bocado que tenho vestida uma t-shirt com 22 anos! 
Repito: 22 anos!

Foi feita para mim, por um senhor que tinha uma serigrafia, e que imprimiu uma foto do Jim Morrison numa t-shirt de algodão branco. 

Já se fartou de passear, já viu muita coisa, já levou com muito suor, sangue e lágrimas. 

Agora tem uns buraquinhos e tal, mas ainda dá para andar por casa e para levar para o ginásio.

Até se desfazer por completo.

Devia ser tudo assim!

Monday, August 19, 2013

Ninguém gosta dos seus vizinhos


Nós detestamos os espanhóis, não é? De Espanha, nem bom vento nem bom casamento.

Os holandases detestam os alemães e não morrem de amores pelos belgas.

Os finlandeses não gostam dos russos e têm um complexo de inferioridade perante os suecos. Para quem não sabe, a Finlândia é bilingue (sueco e finlandês). Uma minoria de cerca 5% da população tem como língua mãe o sueco. Essas pessoas são consideradas elite na Finlândia, proveniente de famílias ricas e com os empregos mais "distintos". E isso é muito visível. Embora ambos louros e desenxabidos, consegue-se perceber facilmente quem é o sueco do grupo pela sua atitue e pela atitude dos finlandeses perante este.
É uma nação muito orgulhosa do seu estoicismo mas a ideia que os vizinhos têm deles é muito diferente... Ora vejam a partir do minuto 03:57.


 

Para os suecos, os finlandeses são uns bêbados, desinteressantes, gordos, feios, só fazem é sauna, são lixo, não se percebe nada do que dizem, são o "primo deficiente" dos suecos.

Se quiserem ver como são os finlandeses, ou vêm cá ou podem espreitar o seguinte vídeo:




São tudo aquilo que os suecos disseram (bem, a parte de serem feios e gordos é assim um bocado a puxar para a generalização) e eles sabem disso. 

E suecos têm a pila pequena e são paneleiros! Toma toma! *Deita língua de fora* Nhã nhã nhã nhã.

Sunday, August 18, 2013

yks, kaks, ko, ne (1, 2, 3,4)

Os meus anfitriões têm uma fabulástica ideia de encurtar tudo o que é palavra, o que faz com que o que está escrito raramente se traduz no se ouve. O que torna toda a aprendizagem desta língua numa tarefa digna de Hércules. 
Yksi, kaksi, kolme, nelja transformam-se então no título deste post e foi algo que ouvi umas quantas de vezes nesta última quinta feira...
O que aconteceu na quinta? Pois que fiz parte num evento que gostei muito: Art goes Kapakka (art goes public), que faz parte de um programa cultural da cidade. Reuniram-se perto de 200 coros, e em uma voz cantaram umas quantas músicas finlandesas numa das praças mais emblemáticas de Helsínquia.
O coro da ECHA decidiu aderir ao evento. Aprendi as músicas em finlandês, misturei-me com os locais e lá fui:

Ensaio no parque

poucos mas bons...zinhos


a procissão musical
Fila da frente

Uma vista diferente ;)
 

No final, cada coro foi para um restaurante/bar que aderiu ao evento e fez o seu próprio show. Nós fizémos 2 espectáculos, num restaurante todo chique e noutro mais relaxado. 

 

E no fim de tudo, reuniu-se todo o mundo novamente, desta vez para confraternizar. Deram comida e bebida e tudo! :) (free stuff nunca se deve negar!)


Foi refrescante cantar como deve de ser outra vez, estar ali no meio da multidão, todos a partilhar um objectivo e uma energia que é difícil descrever.
Adorei. 
Quero mais. Fiquei com muitas saudades dos meus coros e fez-me querer continuar a perseguir o meu objectivo coral.

Saturday, July 6, 2013

férias para que vos quero

Embora o verão desta terra seja uma das melhoras coisas que se passa por cá, a malta anda a ressacar de praia e calorzinho como deve de ser. 
Vou perder 3 semanas de época de morangos, bagas e cogumelos, de dias compridos e temperatura amena e principalmente, vou perder 3 semanas de trabalho. 

Está tudo preparado para a viagem de quase 5h. Calorzinho, here I come!

Sunday, June 30, 2013

É tudo para vocês!

Existem vegetais, que em Portugal, só ouvimos falar nos filmes e nos programas de culinária. Mas não se vê à venda, ou pelo menos, se o vemos não sabemos o que fazer com ele. O ruibarbo é um deles. 
Na Holanda e aqui é um vegetal sasonal e a malta gosta muito de fazer coisas com ele, naquela altura certa do ano e a minha mãezinha ensinou-me a fazer doce.
Então, a modos de presente da terra, e porque é bom, arranjei toneladas da coisas e fiz doce para vocês todos! Para os que já conhecem, espero que estejam excitados. Para os outros, espero que gostem!
Uma sugestão para o comer, é como sobremesa, com igurte natural, grego, cremoso... Hmmmmm
 
Como tudo o que é feito cá em casa, foi feito com muito amor e carinho. Para a semana, a minha bagagem de férias consiste em metade vestidos de verão, metade frascos.

tenho mais...muitos mais...muaahahaha
 

Friday, June 28, 2013

Helsinki Food - a versão portuguesa

Vamos jantar fora. Yey! Dia de festa! E onde vamos?

Pois foi algo que sempre me irritou, aqueles minutos em que se tem de decidir onde vamos... Não sei, onde queres ir? Não sei, e tu?

Isto já era assim em Portugal. Imagine-se numa terra onde não se conhece nada nem ninguém. É tiro ao boneco, correr riscos, viver perigosamente, no fim da navalha... 

Eu, como sempre, cheia de fabulosas ideias, na companhia de outros desgraçados que aqui estão neste fim-de-mundo, decidimos fazer um tour alimentar e experimentar 1 restaurante+bar por mês (pelo menos).
De modo a fazer a coisa mais memorável e para manter um registo, aproveito e partilho aqui convosco as experiências gastronómicas. Querem? Bem, se não quiserem têm bom remédio e podem fechar esta página já! JÁ!

Vocês ficaram. Muito bem, continuemos...
Vou dar pontos, como um bom site de restauração, avaliando a qualidade da comida, o serviço, o ambiente e para finalisar, o "value for money". Escala de 0-10, e a soma total.
Isto já começou em Maio. E os pontos que vão ver são da minha própria (e muito crítica) autoria. Estava aqui a ponderar, enquanto escrevia este post, que era mais justo e mais indicativo se eu desse oportunidade aos outros de fazerem o mesmo. Acho que vou fazer uns questionários para distribuir depois do jantar. E já agora, posso fazer as minutas do que foi discutido durante a refeição e retirar conclusões e "action points". Falo que nem uma verdadeira burocrata!! Bom? Mau?... não faço ideia... estou com medo...

Pronto... já passou a parvoeira. Vamos ao que interessa.

* Juttutupa: Diz-se que era o "hanging place" do tio Vladimir Lenin, quando era vivo e estava exilado aqui em Helsínquia. Só por isso, já vale a pena ir espreitar. Tem muita madeirinha, dando um ar aconchegante, muita parafernália pelas paredes mas nada de relevante. A sala anexa tem outro "feeling" completamente diferente, com um estilo neo-clássico, que lhe ficava bem. E ainda mais outra sala onde uma banda de Rockabillies finlandeses tocava. Pelos vistos tem música ao vivo, e um terraço virado para o lago, que permite admirar o pôr-do-sol (ou somente o sol, naquela altura em que ele não se põe).
Qualidade da comida= 7
Qualidade do serviço= 7
Ambiente= 8
"value for money"= 7
Total: 29
Admito que já não me lembro muito bem de algumas coisas... Mas lembro-me que comi um prato com vários tipos de carne, grelhada, tenrinha e que me soube muito bem. Como viram, eu gostei. Se vierem cá, podem ir lá comer.
* Depois disso, tentámos ir ao bar Moscovo (para manter a linha comunista da noite), mas não correu bem. Estava cheio e não apareceu ninguém ao balcão durante o tempo todo que ali estivémos (que não foi muito). Por isso, viémos embora, ficámos a conversar na rua e fomos para casa. Eles é que perderam! Status: pending.

Desta vez não há fotos, mas também não prometo que tire no futuro pois se eu não gosto de ver pessoas a tirar fotos à comida, também não o vou fazer. Só se valer mesmo a pena...

E assim termina a minha primeira "Food review from Helsinki". 
Críticas aceitam-se.

Monday, June 24, 2013

Agora é que vai ser impossível...

... alguma vez cantar isto como deve de ser...



FYI: O Fortuna (Carl Orff)

velut luna
statu variabilis,
semper crescis
aut decrescis;
vita detestabilis
nunc obdurat
et tunc curat
ludo mentis aciem,
egestatem,
potestatem
dissolvit ut glaciem.

Sors immanis
et inanis,
rota tu volubilis,
status malus,
vana salus
semper dissolubilis,
obumbrata
et velata
michi quoque niteris;
nunc per ludum
dorsum nudum
fero tui sceleris.

Sors salutis
et virtutis
michi nunc contraria,
est affectus
et defectus
semper in angaria.
Hac in hora
sine mora
corde pulsum tangite
quod per sortem
sternit fortem,
mecum omnes plangite!

Sunday, June 23, 2013

já deu a volta ao marcador

Pois que já festejei o segundo S. João cá nesta terra. 
O que se fazer neste dia em que a cidade fica deserta? Já fui ver as fogueiras o ano passado, não tenho nem aluguei nenhuma cabana junto a um lago... sobra o piqueninque. 
Na zona costeira de Helsínquia há vários nichos de areia que podem passar por praia. Tendo em conta que até estava solinho, não muito calor mas o suficiente para não vestir collants, lá se pegou no fogareiro descartável e fomos montar arraial ao pé da água!

Relax...
afinal não incluia acendalhas
It´s summer in Finland
frango, morcela, salada, tomate cherry e melão! Só coisas boas :)
o acampamento
let the dances begin!
Geocaching! yey!
Geocaching outra vez! Já estava com saudades! Lá enganei convenci uma menina para me acompanhar na minha demanda, de cu para o ar, no meio das moitas. Querem que eu vá postando aqui coisas giras que vá encontrando? Tá bem! Desta vez foram caches normais, ao pé da praia, sem grandes novidades. No big deal. Mas vi isto:



PS. Uma notícia: vocês imaginam que 11 pessoas morreram neste dia, devido acidentes maoritariamente relacionados com embriaguês (afogamentos, acidentes de carro, train-not-dodging e outros). 

Tuesday, June 11, 2013

isto sou eu a contar anedotas


A maioria das vezes ainda me lembro da "punchline". E digo-a, completamente fora de contexto e parto-me a rir... sozinha!
 
O que vale e' que faco a festa, atiro os foguetes e ate' vou buscar as canas. Sou "One woman show"! :)

Saturday, June 8, 2013

Wednesday, May 29, 2013

boa filha a casa torna

Ai que baldas que eu ando! Não é por mal. Mas o never-ending inverno desta terra suga a energia a qualquer um. Mas já passou (pelo menos, por uns meses -poucos- o casaco à boneco da Michelin não vai ver a luz do dia, luz essa que já é em demasia).
Para voltar ao tempo actual, vou fazer um apanhado geral, assim rapidinho:

* Foi ali já vim # 4, 5 e 6.
Não me posso queixar muito, que mesmo assim, ainda me fartei de passear. Um lugar novo e 2 repetidos, por fins de semana prolongados, mas deu para sair da rotina.
Falo-vos então da Lapónia, de Bruxelas e de Amsterdão.
A Lapónia tinha como objectivo a visualização das auroras borealis. Mas elas não estavam para aí viradas e gozaram o prato de ver uma cambada de tolinhos, enregelados, no meio do nada, a olhar para o ar. Contudo, todo aquele branco supulcral tem o seu quê de bonito. Ênfase no "quê".


A linha do círculo polar ártico. I want off!
os animaizinhas que ali vivem... taditos.


É o que o nome indica.

Era um lago, mas desapareceu.

A cabana, junto ao lago.

pick-a-poo

Os outros dois locais serviram para matar saudades de pessoas, de civilização e de comer. Ir a Bruxelas é quase como ir a Portugal. Ela foi língua estufada, cozido à portuguesa, comprar bacalhau, beber bica e comer pastel de nata! Já não é nada mau! :)
* Já acabei as minhas aulas de viola por este semestre. Em Agosto, recomeçará se encontrar um professor para mim. Entretanto, estou desviolada... Se alguém souber de um sítio que venda violas em segunda mão... Let me know!

* Praia! Ah, era só para enganar. Nope, não houve nada desse género!
* A Maria Beatrix foi limpar os dentes. Mas teve direito a anestesia geral e tudo! Aproveitaram e cortaram-lhe as imensas unhas que ela tem e levou uma rapadela na pança para se ver se tinha alguma cicatriz de estrelização. Tinha. Good.
E aqui ficam umas fotos amorosas da moça. Dorme assim, enrolada sobre si própria, tipo bichinho de conta e com a pata sobre os olhos.
A minha teoria é que ela é mesmo uma gata Finlandesa e não consegue dormir com a claridade toda que há por aqui (quando há), pelo que tem de tentar obstruir a luz como pode... como nós, antes de termos cortinas "Sun blocker 5000".

oooooohhhhhh :D

Thursday, May 23, 2013

O corte finlandês

Para quem não sabe, o Stockmann é o Corte Inglês cá da zona. Com o seu display comercial que abomino (não consigo encontrar nada!), os Finlandeses gostam muito e é deus na terra e o Stockmann no céu. Gente que é gente faz as compras no Stockmann. Os saldos são uma loucura!! Rodos de povo à porta horas antes da abertura para comprarem coisas com desconto mas que mesmo assim não deixam de ser caras como o raio! Mas como diz a minha colega finladesa: "É barato para nós". Amiguinha, força nisso! 
Há um mito colectivo de que, se não há no Stockmann, então é porque não existe (nota da autora: não existe NA FINLÂNDIA).

Embora tenha momentos surreais, esse mito é muito fácil de "bustar". Um dia tem à venda pastéis de nata, origem Espanha, noutro tem sumos Compal nas prateleiras. Mas assim do topo da cabeça consigo enumerar uns 10 produtos que a Stockmann não tem.

Para não dizerem que sou eu que sou muito esquisita, aqui vai uma história:
Era uma vez uma menina cuja mãe gosta de brincar às cozinheiras e sugeriu que a menina fizesse uma coisa com massa "bric". A menina avisou a mãe: olha minha mãe, que isto aqui não existe. A mãe ripostou que tinha que haver, que é um ingrediente internacional e que na Stockmann devia haver.
A menina, bem mandada (sempre!), foi ao Stockmann. Desorientada, perguntou a um anãozinho que lá trabalhava. Ele respondeu: Ah não, menina, nem sequer temos massas prontas refrigeradas. Só temos congeladas e essa massa não há na Finlândia.

Moral da história: A menina veio com uma massa filo congelada debaixo do braço. A mãe passou a acreditar na menina que isto é o fim do mundo. O Stockmann não tem tudo.=> Myth BUSTED!
 

Thursday, March 28, 2013

1 down - 9 to go?

Faz por esta altura um ano que andava a passear no IKEA a comprar as mobílias para montar numa casa vazia e tentar fazer desta um lar, para servir de Headquarters para uma nova etapa da minha existência. 
Sobrevivi ao meu primeiro inverno Finlandês (com muita rabugice pelo meio, mas aqui estou inteiriça), já tenho alguns amigos, alguma vida social, já sei tocar mais um instrumento, arranhar mais outra língua, aprendi imensas coisas no meu trabalho e tudo vai correndo bem (não é para agoirar, ok?). 
Contudo, estaria muito melhor se esse meu trabalho estivesse num país mais ali no meio da Europa e que a sensação "fim do mundo" não se fizesse sentir tanto. 
Podemos sempre sonhar. Podemos sonhar que a Finlândia saia da área económica europeia e transladem a agência para... sei lá... Itália? Alemanha? França? Pode ser um qualquer! Bora lá!

Sunday, March 17, 2013

Fui ali, já vim nr 3

Infelizmente não vou conseguir ir de férias-férias até Julho, pelo que uma pessoa vai aproveitando uns fim-de-semanazinhos para ir apanhar ar e sair daqui um bocadinho.
Com um sorriso nos lábios, no sítio mais feliz da Finlândia (o aeroporto de Helsínquia), apanhámos o voo directo para Londres. 
Não só para ver as vistas e levar uma injecção de civilização. Foi com um propósito, que já estava marcado desde Setembro do ano passado e finalmente chegou: ver, live, em Picadilly Circus, O "Book of Mormon", o musical. 


Estava lá e vi! 3 horas de gozo sobre a religião, com músicas muitos bem conseguidas e que me fez rir durante toda a duração do espectáculo! Há muito muito tempo que não via assim nada que me enchesse as medidas tão completamente. 
Os actores extraordinários, óptimas vozes, muito bem ensaiadinhos, perfeitos, as letras das músicas, o tom gozão da peça do princípio ao fim... *sigh* Tudo bom! 

O facto de ter de ir a Londres para o ver foi um bónus. Londres é... Londres, onde tudo se passa. Não há como negá-lo. 
E fica só a 2 horas de avião.
Se o maomé não vai à montanha, vai a montanha a maomé. Quem diz Londres, diz outro sítio qualquer. Pois nas tours de qualquer coisa, é muito raro virem até cá acima. 
Já analisaram a palavra Fin-lândia?? É mesmo o fim do mundo... é o que vos digo...

Tuesday, March 5, 2013

Ah, não sou só eu...

Finnish problems