Monday, March 26, 2012

o milagre da multiplicação

Como é possível?! Uma pessoa chega cá com 2 malas... e em 2 anos... octa-ram! Isso mesmo que leram. Não apenas duplicaram... é mesmo vezes 8! Incrível!
Não tenho mobílias, nem nada de recheio do lar, é mesmo só tralha minha! E como já disse anteriormente, até não sou nada de me pôr a comprar coisas só porque sim, pois temia que este dia ia chegar... O meu pecado são os recuerdos, os mapas dos lugares que visitei, as brochuras à borla, postais, papel... Vai-se a Portugal traz-se mais um livrinho, mais uma roupinha, mais uns sapatinhos...
Agora não faço ideia se a tralha cabe toda dentro do carro! Mas tem de caber! Não vai ficar cá nada para contar a história! 
O que vale, é que eu jogo Tetris deste tenra idade! Lembram-se dos joguinhos electrónicos do Tetris nos anos 80? Pois que eu tinha um cada casa-de-banho e eu sofria de prisão de ventre!! Do I need to say more? 
Sacos, malas, caixas... be affraid... be very affraid! 

Sunday, March 25, 2012

Saturday, March 24, 2012

não sou de falar quando não sei... mas...

... em relação à manifestação de ontem, do facto de os polícias andarem a desancar na malta, coitadinha, inocente, e de os manifestantes atirarem pétalas de rosa aos polícias, tenho o seguinte a dizer:

* Quem vai à guerra, dá e leva.
* Aposto que os polícias não começaram à cacetada só porque lhes apeteceu fazer exercício naquela altura.
* As pétalas de rosa são muito bonitas e cheiram bem. Mas fazem alguma coisa? 
* Lutamos sem violência, somos muito sofisticados e crescidos e coiso... serve de muito. Os políticos ficaram abalados? Alguma das reividicações foram discutidas? Alguma coisa aconteceu? 
Digam-me, se faz favor, pois estou aqui e segundo consta, as informações divulgadas pelos média são censuradas pelo governo... 

Li algures (no Facebook) uma opinião sobre este tema das pétalas[...]contra a violência a nao violência é a única soluçao possivel para marcar que queremos democracia, nao ditadura.

Mas pelo estado das coisas... acho que a ditadura se instalou e não disse nada e vivemos na ilusão da democracia só porque vamos de vez em quando votar (quando não temos de ir para a praia que isto de porem os dias dos votos aos domingos, principalmente em época balnear, tem muito que se lhe diga!). Ele há déspotas, amigos de déspotas, familiares de déspotas, que fazem o que querem, roubam e roubam nas nossas trombas e safam-se!, toda a gente já notou que há censura, ele há miséria por todo o lado... pronto, ok, não há o Tarrafal a bombar como no tempo da outra senhora... mas tirando isso?!?! Sobra muito? 
Não. 
E ainda levam com botões de rosa?! 
Era um murro pelos queixos bem dado! Ou pior! 
Abanar! Sacudir! Acordar!
A malta manifesta-se por algum motivo, certo? Porque está mal e quer estar bem, cansada das injustiças sociais, do fosso entre classes cada vez mais largo e mais fundo. 
É com botões de rosa?
Podem vir cá com histórias: ah e tal e o 25 de Abril... Mas quem é que tinha os tanques e as armas afinal? Só não dispararam porque a malta foi cobarde e deu de frosques. 
Agora sou eu: e a Revolução francesa? E as greves francesas? 
Continuo na minha, devíamos ir ter lições com esses tipos! 

Wednesday, March 21, 2012

crepúsculo

Por todo lado (na internet, claro, pois que a vida real não se preocupa com essas coisas), há menções à poker-face da Bella, do ar de enfadonho e esquálido do Edward e do corpanzão do Jacob. E eu sem puder mandar a minha laracha pois desconheço toda a literatura e filmografia da tão internacional e "conceituada" Twilight saga
Pois já tinha decidido que tinha de ver! E ontem a oportunidade surgiu. E vi o último, o do casamento. Foi de ir ás lágrimas... de tão desinteressante que foi! Mãezinha! Que horror!! 
E sim, é tudo verdade. A tipa anda sempre com ar de quem tem de ir cagar a todo o instante. O vampiro e os seus muchachos todos branquinhos, com ar europeu (mas no entanto andam durante o dia ao sol... essa parte não percebi... não sei se são primos do Blade) Os lobisomens com ar de mexicanos e nativos-americanos. Porquê? não sei... preconceito much?!
A história é assim a atirar para o péssima!! Mais de metade do filme é casamento e lua-de-mel. Aquele romance já tão tão tão batido... i love you para aqui e para ali, aquelas frases tão originais como umas calças de gangas. Depois a gaja fica grávida e o puto consome-a e ela quase que morre mas não. Ta-da!
Se tivesse gasto dinheirinho a ver isto... ia ficar muito triste. Como não gastei, foram só 2 horas da minha vida que não vou recuperar...  a juntar a tantas outras... 
Em contrapartida, ontem fiquei a conhecer a existência de um documentário sobre os Doors, "When you're strange". Segundo a wikipédia (e eu não sabia), a versão do Oliver Stone é um bocado pipoca, contendo variações ad lib e não verdadeiras da vida do Jimmy. 
Estou muito curiosa. 

Saturday, March 17, 2012

Vou ter saudades?

Da Holanda? Vou? Talvez não seja bem saudade que vou sentir. É um país muito diferente do nosso, sem dúvida, e algumas diferenças são agradáveis. 
Acho esta terra muito organizada, os arruamentos, os bairros, os canais entremeados... tudo em linhas rectas, lógico e com aspecto arrumado, verde, fértil, aproveitado.
As flores. Por todo o lado. A "erva daninha" daqui são os narcisos, amarelinhos, nos separadores das estradas, nos parques industriais... é ver-se pontinhos amarelos por todo o lado. E a explosão de cores que vai começar a aparecer agora, na zona de Leiden, com os infinitos campos de túlipas a desabrochar. 

A planura. flat flat flat. Até perder de vista... 

A língua. Embora uma verdadeira merda, aqui a je até já passou a 80% do curso estatal, até já compreende e é compreendida em algumas coisas. Um achievement! tap-tap nas costas para mim. 
Vou ter saudades de ouvir "chongayongayonga" (não faço a mínima ideia de como se escreve, mas quer dizer tipo 'Oh minha nossa senhora que já me lixaram' ou simplesmente 'foda-se'). Uma bela onomantopeia! O "graag gedaan", que se lê "rerárredan", muito érre que arranha a garganta, vindo cá do fundinho, feio de se ouvir e que apenas quer dizer "de nada"!
Finlandês é de facto mais agradável ao ouvido mas é completamente chinês! Não há palavra nenhuma que reconheça, com base no latim ou nas línguas germânicas... nada! zero! nicles! batatóides!

As bicicletas e os seus caminhos. Acho que se pode dar a volta à Holanda por um caminho exclusivo de bicicleta. Bem sinalizado, bons pisos, bem mantido, seguro, tornando a tarefa de andar de bicla neste país um prazer (tirando o tempo merdoso)!

A sovinice, o lado prático, nada snob, dos holandeses. São uns bacanos, uns fixes, está sempre tudo bem com eles. Talvez levam isso a um extremo não muito saudável nos dias que correm... mas vão ter de descobrir isso por eles próprios. Não fiz muitos amigos aqui, assim como também não os fiz em Portugal, pelo simples facto de eu ser eu. Mas não me posso queixar. Tive bom ambiente de trabalho, consegui eventualmente separar o trigo do joio e ficar apenas com as pérolas. E levo comigo umas quantas. Só por isso, já valeu a pena ter vindo aqui parar.

O facto de estar no meio da europa. De estar a horinhas de imensas cidades espectaculares. Tirei algum partido, sim senhora, mas ainda faltam taaaannnntttaaassss... 

Saudade? Não, nostalgia. Pois foi o meu primeiro destino fora de Portugal. Longe do meu conforto, onde tudo me era estranho e incompreensível. Onde cheguei de malas de cartão e vontade de trabalhar.  Onde me deram A oportunidade, aproveitei-a e brilhei. Consegui. Foi uma história de sucesso. 
Agora é mudar a página e continuar. O cenário é diferente, mas o final será o mesmo. 


meanwhile, in Rotterdam...

Não se faz nada.
Já fiz muita coisa este mês. Vou ter muito que fazer para a semana e para o mês que vem. Mas neste momento não estou a fazer grande coisa.

Sunday, March 4, 2012

adolescentes

São iguais em todo o lado. Deve ser desaranjo hormonal. Quem já não viu, um frio de morrer e as desgraçadas/desgraçados armados em parvos de corpinho bem feito, todos descascados pois têm de mostrar os "atributos". 
Pois que estavam cerca de -6ºC, um vento de cortar. Toda a gente tapada até aos olhos, gorros, luvas, casacos grossos, todos encolhidos... e eis que passa um grupo de 'parigas de casaco aberto deixando ver um trapinho inconsequente mas coleante e com um grande decote. 
tsc tsc. 

Só dá vontade de chegar ao pé delas e fechar-lhes o casaco e pôr-lhe um cachecol, de um modo muito violento e com um olhar desaprovador!
Miúdas parvas!
Tenham juízo!