Saturday, June 18, 2011

o grease


Como já foi por aqui referenciado, o Grease foi o filme que mais vezes revi. Não porque gostava em particular da história, fotografia, direcção artística ou cenografia, mas pelo simples facto de eu ser uma criança e de o filme ter umas canções fixes que me faziam ficar colada à TV, quieta, de boca aberta, a ouvir as cançonetas com um sorriso no rosto, enquanto a minha mãe fazia o que tinha de fazer lá por casa, numa hora em que não havia desenhos animados a dar em lado nenhum (leia-se canal 1 ou 2). 
Na altura era ingénua e não percebi nada do que se estava ali a passar, sem ser a história da menina que gosta do menino e ele é estúpido e ela tem deixar de ser ela para ficar com ele. Com o tempo, aprendi a apreciar/achar graça ao discurso machista, às piadas sexuais, aos trocadalhos do carilho, a algumas  incongruências... Mas tem outras tantas mensagens importantes para guiarmos a nossa vida: lutar pelo amor, não desistir da escola, não se deixar influenciar pelos outros, ser corajosa, arranjar o carro, que apanhar uma moeda do chão dá boa sorte, que é fixe pertencer a um grupo com casacos iguais, que os tipos com bexigas doidas são maus, que os gajos ficam babados quando vêm uma gaja com calças de cabedal, que as gajas mais badalhocas dançam bem que se fartam, que se fizeres uma permanente parece que tens mais 20 anos em cima, que nunca na vida irei meter-me numas calças de cabedal... entre tantas outras...
Podia ter corrido pior. Podia ter como filme de referências aquelas histórias românticas, em que as gajas esperam o príncipe encantado, para casarem, de branco, e viverem felizes para sempre. O resultado seria eu hoje ser uma rapariga muito amargurada, frustrada e desencantada com a vida.
Por causa do Grease, sei que os gajos são uns idiotas (99.97% deles), que mudar é importante, que temos de lutar pelo que queremos, que somos donos da nossa própria vida e vivemos felizes até as coisas durarem. 

Recomendo a gerações futuras: Vejam o Grease! 

PS: o Grease 2 nunca existiu.

No comments: