Tuesday, June 28, 2011

oh meu menino jasus

Pois não sei porquê, hoje dei por mim a pensar no Natal e o quanto aquilo não me diz nada. Ah e tal, é para estar com a família. Sim senhora, mas porque precisamos de esperar até ao dia do solstício de Inverno? Porque não juntamos a família no solstício de verão também? Porque é que sentimos a obrigação de celebrar estas datas religiosas que nos puseram no calendário há uma carrada de anos atrás?... Pois euzinha, não sendo católica/religiosa, não vejo sentido nenhum em perpetuar a coisa. 
Pois quando crescer, quero fazer umas alteraçõeszinhas às designadas "tradições". Quero fazer as minhas próprias tradições, celebrar o que para mim é importante, agora cá o dia do "nascimento do jasus" e o dia em que afinal não morreu... Filho meu não se vai sujeitar a esta hipocrisia que eu não quero!

Vou passar a fazer uma grande festa em que juntarei toda a gente possível e cada pessoa traz UM (1) presente para celebrar Aniversários, tanto dos membros da família, como de acontecimentos pessoalmente marcantes. Nessas alturas, tentarei reunir sobre o mesmo tecto todas as minhas pessoas favoritas do mundo, recebendo-as de braços abertos, confraternizando e apreciando a companhia de todos. Nesses dias, é imperativo que se faça algo diferente, que  nunca seja "um dia como os outros"! For fuck sake, para isso há os restantes 364 dias!! Filho meu nunca há-de ir à escola no dia do seu  aniversário que eu não deixo! :P

Pensam vocês: -coitadinha da criança, sem Natal, sem receber os triliões de prendas que não servem para nada, para a dita criancinha esfrangalhar metade deles nas horas seguintes e amontoar tralha para a mãezinha ter de arrumar! Coitadinha nada, porque a mãezinha vai-lhe comprando coisas que a criancinha PRECISA (ok, e alguns miminhos) durante todo o ano, nunca lhe há de faltar nada. 

Aproveitam-se mas é os feriados do calendário do sítio onde vivermos para passear e conhecer o país em stand-by. 

E quando houver mais eventos que requeiram celebração, é só juntar à lista. Por agora ficamos pelos aniversários. Tenho também de começar a trabalhar é na parte da "família"... os ovinhos estão a ficar estragados... 

Monday, June 20, 2011

não gostas, põe à borda do prato

Andamos entretidos com a nossa vida, a tentar fazer dela alguma coisa. Chega a um ponto em que estamos calejados pelo quotidiano e já quase não damos conta do que se passa à nossa volta, zombificados... Algo nos acorda, abrimos bem os olhos, observando de outra perspectiva, como que pairando sobre a nossa própria existência e tiramos conclusões.
Como disse anteriormente, eu tenho-me em grande consideração. Acho que a minha mãe até fez um trabalho mais ou menos, incutindo-me alguns princípios básicos de humanidade e civismo. Tenho algumas falhas, como toda a gente, mas estão bem identificadas, aprendi a viver com elas e sei onde hei-de melhorar e vou tentando, dia-a-dia.
Durante o meu crescimento, sempre fui muito protegida pela minha família, tive uma infância super feliz, vivi sempre num mundo cor-de-rosa, sem maldade. Mesmo o liceu, tão traumatizante para tanta gente, passou por mim sem deixar marca. 

O facto de viver nesta bolha trouxe-me muitos dissabores na idade adulta. Aprendi do pior modo que as pessoas não têm palavra, são mentirosas, mesquinhas, egoístas, invejosas, maldosas. Infelizmente, ainda não tenho defesas ou capacidade de identificar e lidar com essa gente e ainda me deixo enganar muito frequentemente. A minha ingenuidade faz-me fazer figura de parva... Acho que já levei tabefe suficiente. Não quero mais.
A besta fria que há em mim vai voltar. Acabou-se cá a "disposição tábua rasa" pois verdade seja dita, a qualidade dos humanos neste planeta está a decair vertiginosamente. Não era Portugal, nem é a Holanda... É generalizado. Todos os dias me deparo com situações que me agoniam e enojam e não sei reagir adequadamente. Ou já estarei dormente? 
Se já era rancorosa e sem fé na humanidade, hoje estou muito mais. Um dia destes fecho a minha concha ao mundo. 
... estou cada vez mais perto... 

Ah e tal, temos que aceitar cada um como cada qual... mas acho que também há limites e não devemos comer toda a merda que nos cai no prato. *LER O TÍTULO DO POST* => Tenho tudo à borda, prato vazio, mas não faz mal :D

Sunday, June 19, 2011

tenho uma maria callas dentro de mim


...e a estúpida não quer sair...

Hoje estive a ver um documentário sobre a produção de álbuns que marcaram a história da música, Queen, Frank Zappa, U2, Pink Floyd (entre tantos outros).
No final, uma pessoa sente-se muito pequenina. Não tenho mesmo talento nenhum... :( 
Ainda tenho a mania que sei cantar, mas também tenho a perfeita consciência que nunca vou ser grande coisa, que há tanta gente bem melhor, e contento-me apenas em participar num coro. 
Aproveito para anunciar que vou a uma audição em Agosto para um coro que canta com a filarmónica de Roterdão. Quem sabe, estou no caminho certo para alguma vez na minha vida cantar o coro das ciganas na Carmen (ver videozinho abaixo, sff) :D

Nem a minha tentativa de criar uma banda de covers para percorrer os bares de Spijkenisse deu resultado, mas obrigado a todos os 2-3 que se disponibilizaram a apoiar a causa. :P 

Não sei pintar nem tenho grande imaginação, não sei fazer música mas sei tocá-la e interpretá-la. Gostava de um dia ainda fazer alguma coisa de jeito com isso...

A esperança é a última a morrer! 


Nota da autora: a senhora que faz de Carmen até canta bem, mas alma... tá quieta oh preto... Minha rica Callas. Tinha uma voz boazinha mas era poderosa em palco. Vão ouvir falar mais dela neste blogue que ando um bocado obcecada com a senhora.... ;) Caso ainda não saibam, considero a ópera the final frontier. Só génios escrevem óperas. Só pessoas dotadas as conseguem cantar. Só pessoas extraordinárias conseguem encarnar as personagens. Não me importava ser uma delas mas acho que já perdi o comboio...  

Saturday, June 18, 2011

o grease


Como já foi por aqui referenciado, o Grease foi o filme que mais vezes revi. Não porque gostava em particular da história, fotografia, direcção artística ou cenografia, mas pelo simples facto de eu ser uma criança e de o filme ter umas canções fixes que me faziam ficar colada à TV, quieta, de boca aberta, a ouvir as cançonetas com um sorriso no rosto, enquanto a minha mãe fazia o que tinha de fazer lá por casa, numa hora em que não havia desenhos animados a dar em lado nenhum (leia-se canal 1 ou 2). 
Na altura era ingénua e não percebi nada do que se estava ali a passar, sem ser a história da menina que gosta do menino e ele é estúpido e ela tem deixar de ser ela para ficar com ele. Com o tempo, aprendi a apreciar/achar graça ao discurso machista, às piadas sexuais, aos trocadalhos do carilho, a algumas  incongruências... Mas tem outras tantas mensagens importantes para guiarmos a nossa vida: lutar pelo amor, não desistir da escola, não se deixar influenciar pelos outros, ser corajosa, arranjar o carro, que apanhar uma moeda do chão dá boa sorte, que é fixe pertencer a um grupo com casacos iguais, que os tipos com bexigas doidas são maus, que os gajos ficam babados quando vêm uma gaja com calças de cabedal, que as gajas mais badalhocas dançam bem que se fartam, que se fizeres uma permanente parece que tens mais 20 anos em cima, que nunca na vida irei meter-me numas calças de cabedal... entre tantas outras...
Podia ter corrido pior. Podia ter como filme de referências aquelas histórias românticas, em que as gajas esperam o príncipe encantado, para casarem, de branco, e viverem felizes para sempre. O resultado seria eu hoje ser uma rapariga muito amargurada, frustrada e desencantada com a vida.
Por causa do Grease, sei que os gajos são uns idiotas (99.97% deles), que mudar é importante, que temos de lutar pelo que queremos, que somos donos da nossa própria vida e vivemos felizes até as coisas durarem. 

Recomendo a gerações futuras: Vejam o Grease! 

PS: o Grease 2 nunca existiu.

Friday, June 17, 2011

the point of no return

Como alguns já devem saber, o meu rico prédio decidiu fazer a manutenção do elevador. Mas por azar, esta manutenção foi daquelas que se devem fazer de 10 em 10 anos, que implica mudar o motor e mais não sei o quê, que faz com que o estupor não mexa nem para cima nem para baixo coisíssima nenhuma. Eu moro num 5º andar... E está tudo dito. Não vou queixar-me do quanto aquilo custa (QUE CUSTA!!), mas que, devido a esta situação, tem toda a gente de circular pelas escadas. Como ainda mora aqui uma boa maquia de gente, a probabilidade de encontrar alguém é elevada, mas normalmente ficamo-nos no bem educado bom dia, boa tarde. Hoje, uma senhora assim já velhota pergunta em bom holandês: Sabem a que horas fecha a loja? Qual loja, o supermercado?, perguntei eu (EM HOLANDÊS). Sim, disse ela. Ah, isso está aberto até ás 9 da noite, acalmando assim a senhora que parecia stressada (pois as lojas normalmente fecham ás 5-5:30 e era bem perto dessa hora). 
Pois meus amigos: Sou um deles! Já sei manter conversa de chacha com os locais. Compreendo e sou compreendida durante o processo, sem nunca sacar da arma "do you speek english?".

Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida (na Holanda):P 
Estou pronta para ir para outro lado! NEXT!

Tuesday, June 14, 2011

the tour

Desde que cheguei à Holanda que a quero conhecer. É um país pequenino, tipo os 2 alentejos, logo parte-se do princípio que isto se visitava num piscar de olhos. Nos primeiros tempos não havia dinheiro (na pas de empregos, na pas de passeio) pois os transportes aqui são a puxar para o carote. Depois houve empregos mas ao mesmo tempo mudança de casa e inverno holandês (a coisa é agreste!). Há 3 meses que já há carro mas houve, desta feita, preguiça. Durante este tempo já deu para recolher alguma informação sobre os sítios catitas para visitar. Comprei um guia sobre a Holanda (e sobre a Alemanha- hello, hello, até ao mês que vêm) e fui picar o ponto a alguns pontos turísticos pois tive uma visita do tugal. Juntei a fome e a vontade de comer. 
O estupor do tempo desta terra é que parece um esquizofrénico com síndroma de tourette. Mesmo assim, ainda tivémos muita sorte, pois só caiam cargas de água quando íamos no carro e a temperatura ficou-se pelos 20ºC. Não dá para suar e cheirar a cavalo nem para andar desconfortavelmente a tiritar de frio. Tá-se bem! 
Pois fomos a um dos muitos mercados de queijo, a Alkmaar, em que todas as sextas feiras das 10:00 às 12:30 recriam um venda de queijo das várias "tertúlias", com trajes e apetrechos típicos. 
Como na semana passada abriu oficialmente a época do arenque, por todo o lado brotam barraquinhas a vender esta iguaria. Como só tinha comido o ano passado e já não me lembrava, bora lá tentar outra vez. Não, decididamente a coisa não me excitou. Depois de duas dentadas já me estava a enjoar e com um bafo a "ciboila" que vai lá vai! A ver se não me esqueço desta... 









Uns kilómetros a baixo encontra-se Zaanse Schaans. Uma aldeiazinha construída para o turista. Com alguns museus a pagantes, os bons dos moínhos (uns quantos em funcionamento) e com muitas lojas para se gastar dinheiro, algumas até eram interessantes pois tinham o lado artesanal da coisa de um lado e o produto embalado e pronto a ser comprado do outro. 




armadas em queijeiras!
O que gostei mais foi de uma oficina de tamancas. Qualquer dia compro umas e dou com os meus vizinhos em doidos! :D 

socas são coisas muito versáteis

é escolher!
Na volta para casa, ainda se foi visitar Utrech. Uma cidade universitária, com muito movimento, com uma zona central antiga, bonita, bem conservada e cheia de personalidade jurídica. 







Já tinha serpenteado por aquelas ruas a correr e de noite quando fui ver um concerto. Tinha ficado com a ideia que aquilo devia ser giro... E querem ver que foi?! Parece ter bastantes actividades, coisas a acontecer, vida nocturna, coisa que aqui a je já quase desistiu de ter mas que de vez em quando até aprecia... 
Terminou-se o dia a encher o bandulho em sushi em Roterdão... porque sim! :D

No dia seguinte, fui mostrar Amsterdão à Sofiazinha, com muito gosto, pois não me importo mesmo nada de lá ir, pois como já disse inúmeras vezes, ADORO AMSTERDÃO! Andámos para lá de barquinho pois o tempo estava estúpido, comemos a boa da "stroopwafel", tirámos a foto no "IAMSTERDAM" da praxe, luz vermelha, mercado das flores, vagueando nas ruas e ruelas para ela absorver o feeling da cidade. Chegámos todas rotas a casa mas com a alminha reconfortada!
Domingo, não há chuva, vamos à praia. A famosa, a tal que toda a gente fala: Scheveningen. E foi tudo o que estava à espera. Um grande areal e um igualmente grande passeio à beira mar plantado, com lojas (porque os locais adoram andar às compras), com cafés e restaurantes (porque eles adoram comer coisas boas que não comem em casa), com barracas de fritos e de arenques empestando o belo ar de praia que sentia. Estava muito vento e o sol estava preguiçoso mas deu para ver o potencial da coisa, ou seja, num verdadeiro dia de verão, deve ser impossível andar-se ali! Vou guardar este local mas é para a as passeatas invernais, é o que é! 


banda de jazz... e uns meninos espojados no chão a pintar.



São o Brian Adams e o Elton John, versão esfinge.

kibelling e frites. Perdidos por cem, perdidos por mil!
Como é mesmo ali ao pé, a próxima paragem foi visitar o centro de Den Haag (Haia para os amigos). Como qualquer cidade holandesa que se preze, tem um ar rústico-chique, muito arranjadinha, esplanadas por todo o lado, cheias de gente usufruindo o facto de estarem vivas. Este holandeses podem ser malucos e terem uma data de defeitos, mas eles sabem aproveitar a vida! Aproveitam todo o raio de sol, sempre com um ar de relax, espojados por todo o lado, nunca se queixam do mau tempo e celebram o bom! Dá gosto! E quer queiramos quer não, quando nos deixamos contagiar por esta energia (ou ausência dela), é muito libertador. Mas depois voltamos a ser portugueses... 




"O rei da nozes". O nome diz tudo.  É mesmo bom!
E com essa na cabeça, vim dar a conhecer Roterdão e os seus "atributos", passando pelo café português para beber uma bica e perguntar se faziam caracóis... não... :( 
Segunda foi feriado e montámo-nos no comboio e passados 1 hora e 45 minutos estávamos em Bruxelas. Comemos moules e batatas fritas, fizémos o passeio do bus descapotável, grand place, menino que mija e gouffres! :D:D:D:D oh céu.... pena darem um garfinho raquítico que torna a tarefa de comer aquele manjar dos deuses um bocado complicada e suja. Para a próxima levo um talher de casa. 
Guardando o melhor para fim, para terminar as compras de souvenirs, a cereja em cima do bolo: Spijkenisse. O meu Montijo na Holanda. E o seu "petting zoo", com galinhas, patos e perús, vacas, ovelhas, cabra, porcos, coelhos... para os meninos aprenderem que a carne não nasce nas couvettes! 




Sabem que mais: gosto da Holanda e quero ver mais! 

Wednesday, June 8, 2011

oh religion... you're so cute!


Como todos sabem, bebemos água e ela nunca mais sai de dentro de  nós. JAMAIS! E o ciclo de água que aprendemos na primária foi só para encher os livros. E ETAR's? Será que já ouviram falar desta coisa do demo? 
Where can I turn? Not the scripture? Então vou já cortar os pulsos!! Pelos vistos, para esta gente, Ciência é apenas Matemática e o que fizeram foi fazer contas de multiplicar... mas não sei se eles estão a lembrar-se do fabuloso ramo científico que é a Biologia, a tal que explica como os rins funcionam! 
Ai ai, cambada de atrasados! E desocupados! Arranjarem tempo para reunirem aquelas 5 referências cibernéticas e fazerem um panfleto tão bonito para porem no Reddit para angariarem mais ovelhas...ufa... Success!

Sunday, June 5, 2011

painted my nails

Desde que trabalho no laboratório, a tarefa de "pintar as unhas" foi extramemente frustrante. Lavo as mãos inúmeras vezes, qualquer coisa que toque tem o potencial de dissolver o verniz... Dura no máximo uma manhã. Por isso, há cerca de um ano que não as pinto (tirando as semanas de férias). 
Hoje, para celebrar o facto de amanhã começar na minha função nova, embora com aparições aleatórias no laboratório, pintei as minhas unhas de novo, com a esperança de conseguir manter os dedinhos bonitos durante mais tempo! :) 

Já posso também ir com roupinhas mais catitas, outros sapatos sem ser ténis... I can feel like a woman again!!! :P 

Friday, June 3, 2011

i stop for shit

Estão andando, descontraídos, pela rua de uma bela cidade, vendo as vistas, tirando retratos mentais. De repende, pelo canto do olho, vêem uma poiazinha no chão. O que fazem? Ignoram? São indiferentes?  Não, claro que não! Olham com os olhos todos, localizam-na, tiram medidas para não a pisar! Eu pelo menos não gosto de pisar merda e de andar a passear o cheiro comigo... mas isso sou eu! :P 

Estão andando, descontraídos, pela rua de uma bela cidade, vendo as vistas, tirando retratos mentais. De repente, pelo canto do olho, vêem alguém que vocês não gostam, de maus interiores, sem princípios e sem valores. O que fazem? Ignoram? São indiferentes?  Sim, claro que sim. Não estão para gastar uma única caloria do vosso corpo a articular um único movimento dirigida áquela pessoa pois ela não é merecedora de tal esforço.  

Estão ver? Há pessoas que valem menos que merda! Continuo na minha.

Thursday, June 2, 2011

beach time

Desde Agosto de 2009 que não vou à praia. Foram 15 dias de óptimos mergulhos mas de intenso calor, daquele das 3-da-tarde-do meio-de-agosto-no-Algarve. O facto de não ter ido à praia o ano passado não me fez grande diferença porque até não gosto assim tanto de praia. Fiquei foi branca como a cal. E assim permaneço até aos dias de hoje, embora já com um ligeiro bronze de camionista (mas daqueles que fazem a viagem ao fim do dia ou à noite) pois têm estado uns dias de primavera a roçar o verão. As pernocas é que parecem que foram mergulhadas em lixívia... 
O sol faz falta para os meus ossinhos não se pulverizarem daqui a uns anos. Sei disso. Hoje foi feriado, estava um dia lindo. Vesti o vestido de verão, chinela de enfiar no dedo e lá fui... :D

photos on the go... no stop... no time... 
Bart Simpson is guiding us :D
meeeeeehhhh means meeeeeehhhh
mar do norte até aos tornozelos! Sou tão fôte! 
mar... areia... eu... de casaquinho...

Estou da cor do vestido ou não?
ao fundo está um major dike... um dikesão
dunas....são como divãs...
pés e areia... feels good! :D
Obviamente que não levei biquini. O objectivo aqui foi apanhar um bocado de sol e sentir o cheiro da praia. Mission accomplished!