Wednesday, March 9, 2011

dia da mulher: my interpretation

Mais um dia internacional da mulher. O facebook de ontem era só "parabéns às mulheres", "obrigado por seres quem és, mãe/namorada/whatever", "feliz dia"... Parabéns por quê? Obrigado por obra de quem? aaaaaiiii, mete-me cá uma destas raivas!!!! Lembro-me que ainda esta semana fui alvo de "piadas" e comportamentos machistas (para mim são piadas mas para eles... não me parece), vejo o quanto a vida da minha amiga muçulmana está a ser completamente esmagada pelos homens em redor dela, recordo-me de ser descriminada em entrevistas de emprego pelo simples facto de ser mulher em idade fértil e como tal o meu único objectivo na vida era parir (claro!), do quanto as mulheres têm de trabalhar a dobrar, do modo como crianças feminas e masculinas têm diferentes referênciais de educação (tenho um exemplo desses na minha família e vira-me as tripas!!), etc... you get the point.


Mas andando um pouco para trás na história, nem sempre foi assim! Sabemos da existências de sociedades matriarcais, temos o magnífico exemplo do Egipto que, para além de ter aquela rainha com um nariz magnífico, também permitia a existência de outros lugares de poder às mulheres na sociedade. E porque é que isso acabou? Eu digo: Religião! Cristianismo e associados. A cobardia dos homens. A atitude "o-meu-pénis-é-maior-que-o-teu". O medo. Por outro lado, o carácter não belicoso e conciliador da mulher e, infelizmente, a nossa fraqueza física. 
É o nosso calcanhar de Aquiles, geneticamente não fomos feitas para lutar e levantar pedras em cima das nossas cabeças. Os homens toparam isso e já que iam escrever aquele enchorrilho de tretas, aproveitaram e meteram a mulher num canto, quieta, muda e calada, um mero objecto para se usar, abusar, vender, matar, para não dar muito trabalho e para puderem fazer as merdas todas que queriam. E eis a bíblia/corão, com o seu discurso opressivo, intolerante, mesquinho e cobardola, em relação às mulheres (e outra pessoas que eles acharam que não queriam ter de lidar com). 


E o que pode fazer, pergunta você, leitor masculino, que lê este blog? Nada. Mas quando tiver filhos, tente incutir outros valores, tente criar os seus filhos sem qualquer tipo de preconceitos!


Muito grata pelos "obrigados" e "Parabéns" mas podem enfiá-los todo no cu.

1 comment:

Sara said...

Não precisas de olhar para trás, cara Tânia, para veres sociedades matriarcais, elas existem actualmente. Lá nos confins de África há algumas. Quanto a isso ter sido alterado pela religião, vejamos... Quem cria essas religiões? Isso são desculpas apenas... Mas sim a religião tem servido de desculpa para muita coisa... Má.
Agora o que eu gostei mesmo nesta publicação foi da parte final! Ui, ui!